Subscribe to Secularism is a Womens Issue

Secularism is a Women’s Issue

Home > fundamentalism / shrinking secular space > Portuguese Communist Party : «Hiroshima and Nagasaki 69 years later. From (...)

Portuguese Communist Party : «Hiroshima and Nagasaki 69 years later. From Palestine to Ukraine - the timeliness of the struggle for peace»

Thursday 14 August 2014, by siawi3

All the versions of this article: [English] [English]

Source: http://solidnet.org/portugal-portuguese-communist-party/portuguese-cp-hiroshima-and-nagasaki-69-years-later-from-palestine-to-ukraine-the-timeliness-of-the-struggle-for-peace-en
Friday, 08 August 2014 10:14


BELOW IN ENGLISH
then IN PORTUGUESE

6 de Agosto de 2014

Statement by Pedro Guerreiro, member of the Secretariat of the Central Committee and Responsible of the PCP International Department

Marking the 69 years of the launching by the U.S. atomic bombs on Hiroshima and Nagasaki – on August 6 and 9, 1945 – the PCP draws attention to the serious international developments arising from the escalation of interference, aggression and war led by U.S. imperialism.

Creating and promoting widespread outbreaks of tension and destabilization in virtually all regions of the world, the U.S. with its NATO allies and the European Union promote aggression and launch a war against all those who, defending their sovereignty and national independence resist their aims of imposing world domination.

In this framework, the Israeli aggression against the Palestinian population of Gaza is particularly serious, after a month of methodical and indiscriminate bombing, which did not spare schools, hospitals, mosques and even UN facilities, has already killed around 2000 Palestinians and left wounded more than 9000 - including thousands of children - and destroyed homes and several basic infrastructures, essential to ensure the living conditions of the Palestinian population.

This new massacre and act of state terrorism by Israel carried out with the support of the U.S. and the European Union demands the strongest condemnation. The interruption of the military offensive by the Israeli army in the Gaza Strip is not the end of the Zionist aggression - the illegal and criminal occupation and oppression of the Palestinian people continues. It is unacceptable that the Portuguese Government, ignoring the explicit constitutional duty, not only has not condemned the Israeli aggression, but keeps silent on the demand to apply the UN resolutions that demand Israel’s withdrawal from the Arab territories occupied in 1967 and the recognition of the right of Palestinian people to their own independent and sovereign state.

Reaffirming its solidarity with the cause and the heroic national liberation struggle of the Palestinian people against the oppression of the State of Israel, the PCP calls for the participation in the public act ’Free Palestine! End the aggression! End the occupation! ", promoted by several organisations, which takes place tomorrow, August 7, at 6 P.M., in front of the Israeli Embassy in Lisbon.

Moreover, following the February coup - instigated and supported by the U.S., EU and NATO and materialized with the decisive participation of forces of an assumedly neo-Nazi and fascist nature - continues in Ukraine, under a cloak of silence and premeditated distortion of the reality, a brutal campaign of repression against the people who reject fascism and do not bow to the powers resulting from the coup. The criminal military operation that the Kiev authorities are stepping up against the Ukrainian population of the Donbass region - involving militarized neo-fascist groups - has already caused, following the Odessa massacre, thousands of victims and hundreds of thousands of refugees. A military operation that is part of a broader campaign of violation of fundamental rights and freedoms, which include systematic actions of intimidation, persecution and violence against the communists and other democrats and the stated aim of outlawing the Communist Party of Ukraine.

The serious development of the situation in Ukraine is part of imperialism’s advance to the East following the dramatic defeats of socialism and of a dangerous escalation of tension and confrontation of the U.S. and the EU against the Russian Federation, which, if not halted, will represent a serious threat to peace in Europe and the world.

Stressing the need to engage in a political process between the parties, the PCP reiterates its solidarity with the Ukrainian workers and people and their aspirations and struggle for a free, sovereign, democratic Ukraine of social progress.

The PCP reaffirms its strong condemnation of the repressive and persecutory campaign against the Ukrainian communists and other democratic forces and its solidarity with those who in Ukraine resist and stand in defence of their rights, against the power and oppression of the oligarchs and of imperialism and against the neo-fascist threat.

The Israeli military aggression against the Palestinian population of the Gaza Strip and the premeditated worsening situation in Ukraine are an integral part of imperialism’s strategy of global domination, which includes the destruction of Yugoslavia; the war and occupation of Afghanistan, of Iraq and Libya and the breakdown of these countries as sovereign states; the operation against Syria; the sanctions and threats against Iran; the increasing interference, military interventionism and recolonization operations in Africa; the galloping militarization of the Far East targeting China; the permanent tension in the Korean Peninsula; the Japanese revanchism and expansionism; or the blockade against Cuba and the interference and destabilization in Venezuela and other Latin American countries.

Hypocritically instrumentalizing the ’human rights’ and the ’duty of humanitarian intervention’, with the use of huge campaigns of misinformation and manipulation in seeking to whitewash their criminal objectives and actions, the U.S. and its allies systematically violate the UN Charter and international law by attacking the sovereignty of states and the rights of peoples, intensifying exploitation, implementing anti-democratic measures and promoting and perpetrating criminal wars.

With the deepening of the structural crisis of capitalism, imperialism seeks to ensure and control the exploitation of resources and geostrategic positions, suppressing the resistance and struggle of the workers and peoples in defence of their inalienable rights and legitimate aspirations - a policy to which successive governments have been binding Portugal. Portugal must break with the policy of submission to the U.S., NATO and the EU which is involving it in imperialism’s aggressive operations, ruining the country and undermining the very sovereignty and independence of Portugal.

The most aggressive circles of imperialism are launching Humanity into a spiral of exploitation, oppression and war. It is in the hands of the people to stop it. 69 years after the launching of atomic bombs on Hiroshima and Nagasaki, the PCP reaffirms the timeliness and urgency of the struggle for peace and its commitment to contribute to the strengthening of the peace movement and its solidarity with the people victims of imperialist aggression. Remembering Hiroshima and Nagasaki is not forgetting its hundreds of thousands of victims, and in their memory, intervene so that never again Humanity will have to suffer nuclear horror.

In the year that marks the 40th anniversary of the April Revolution, which put an end to the fascist dictatorship, the PCP calls on all democrats and patriots to intensify the fight against fascism, against militarism, against imperialist interference and war, for peace, disarmament - particularly for nuclear disarmament - for the peaceful resolution of conflicts, the end of foreign military bases, the dissolution of the political and military blocs, respecting the sovereignty and national independence, for social progress and friendship and cooperation among peoples.


Declaração de Pedro Guerreiro, membro do Secretariado do Comité Central

«Hiroshima e Nagasaki 69 anos depois. Da Palestina àUcrânia - a actualidade da luta pela paz.»

Assinalando os 69 anos do lançamento pelos EUA de bombas atómicas sobre Hiroshima e Nagasaki – a 6 e 9 de Agosto de 1945 – o PCP chama a atenção para a grave evolução da situação internacional decorrente da escalada de ingerência, de agressão e de guerra conduzida pelo imperialismo norte-americano.

Criando e promovendo a generalização de focos de tensão e de desestabilização em praticamente todas as regiões do mundo, os EUA com os seus aliados da NATO e da União Europeia fomentam a agressão e lançam a guerra contra todos aqueles que, defendendo a sua soberania e independência nacional, resistem às pretensões de imposição do seu domínio mundial.

Neste quadro assume particular gravidade a criminosa agressão de Israel àpopulação palestiniana da Faixa de Gaza, que após um mês de sistemáticos e indiscriminados bombardeamentos, que não pouparam escolas, hospitais, mesquitas e, mesmo, instalações da ONU, já provocou a morte de cerca de 2000 palestinianos e mais de 9000 feridos – incluindo milhares de crianças – e a destruição de habitações e inúmeras infraestruturas básicas, essenciais àgarantia das condições de vida da população palestiniana.

Este novo massacre e acto de terrorismo de Estado de Israel, cometido com o apoio dos EUA e da União Europeia, exige a mais veemente condenação. A interrupção da ofensiva militar do exército israelita na Faixa de Gaza não representa o fim da agressão sionista – a ilegal e criminosa ocupação e a opressão do povo palestiniano continuam. É inadmissível que o Governo português, ignorando a explícita obrigação constitucional, não só não tenha condenado a agressão israelita, como silencie a exigência da aplicação das resoluções da ONU que obrigam àretirada de Israel dos territórios árabes ocupados em 1967 e o reconhecimento do direito do povo palestiniano ao seu próprio Estado independente e soberano.

Reafirmando a sua solidariedade com a justa causa e heróica luta de libertação nacional do povo palestiniano frente àopressão do Estado de Israel, o PCP apela àparticipação no acto público «Palestina livre! Fim àagressão! Fim àocupação!», promovido por diversas organizações, que se realiza amanhã, 7 de Agosto, pelas 18 horas, frente àEmbaixada de Israel, em Lisboa.

Por outro lado, na sequência do golpe de Estado de Fevereiro – fomentado e apoiado pelos EUA, UE e NATO e concretizado com a participação determinante de forças de assumido cariz fascista e neonazi – prossegue na Ucrânia, sob um manto de silêncio e de premeditada deturpação da realidade, uma brutal campanha de repressão contra as populações que recusam o fascismo e não se submetem ao poder golpista. A criminosa operação militar que as autoridades de Kiev estão a intensificar contra a população ucraniana da região do Donbass – em que participam grupos militarizados neofascistas – já provocou, na sequência do massacre de Odessa, milhares de vítimas e centenas de milhar de refugiados. Operação militar que se integra numa mais ampla campanha de violação de liberdades e direitos fundamentais, onde se inscrevem sistemáticos actos de intimidação, perseguição e violência contra os comunistas e outros democratas e o objectivo declarado de ilegalizar o Partido Comunista da Ucrânia.

A grave evolução da situação na Ucrânia é parte integrante do avanço do imperialismo para Leste após as dramáticas derrotas do socialismo e da perigosa escalada de tensão e confronto dos EUA e da UE contra a Federação Russa, que, a não ser travada, representará uma séria ameaça para a paz na Europa e no mundo.

Sublinhando a necessidade de se encetar um processo político entre as partes, o PCP reitera a solidariedade com os trabalhadores e o povo ucranianos e os seus anseios e luta por uma Ucrânia livre, soberana, democrática e de progresso social.

O PCP reafirma a sua veemente condenação da campanha repressiva e persecutória contra os comunistas ucranianos e outras forças democráticas e a sua solidariedade com os que na Ucrânia resistem e se erguem em defesa dos seus direitos, contra o poder e a opressão dos oligarcas e do imperialismo e a ameaça neofascista.

A agressão militar israelita àpopulação palestiniana da Faixa de Gaza e o premeditado agravamento da situação na Ucrânia são parte integrante da estratégia de domínio mundial do imperialismo, em que se inscrevem a destruição da Jugoslávia; a guerra e ocupação do Afeganistão, do Iraque e da Líbia e a desagregação destes países enquanto Estados soberanos; a operação contra a Síria; as sanções e ameaças sobre o Irão; a crescente ingerência, intervencionismo militar e operações de recolonização em à frica; a galopante militarização do Extremo Oriente visando a China; a permanente tensão na Península da Coreia; o revanchismo e expansionismo japonês; ou o bloqueio contra Cuba e a ingerência e a desestabilização na Venezuela e noutros países da América latina.

Instrumentalizando hipocritamente os «direitos humanos» e o «dever de ingerência humanitária», com o recurso a amplas campanhas de desinformação e de manipulação com que procuram branquear os seus criminosos objectivos e acções, os EUA e seus aliados violam sistematicamente a Carta da ONU e a legalidade internacional, agredindo a soberania dos Estados e os direitos dos povos, intensificando a exploração, implementando medidas anti-democráticas e promovendo e perpetrando criminosas guerras.

No quadro do aprofundamento da crise estrutural do capitalismo, o imperialismo procura assegurar o domínio da exploração de recursos e de posições geoestratégicas, reprimindo a resistência e luta dos trabalhadores e dos povos em defesa dos seus inalienáveis direitos e legítimas aspirações – politica a que sucessivos governos têm vindo a amarrar Portugal. Portugal deve romper com a política de submissão aos EUA, àNATO e àUE que o está a envolver nas operações agressivas do imperialismo, a arruinar o País e a comprometer a própria soberania e independência de Portugal.

Os círculos mais agressivos do imperialismo estão a lançar a Humanidade numa espiral de exploração, opressão e guerra. Está ao alcance dos povos impedi-lo. 69 anos depois do lançamento de bombas atómicas sobre Hiroshima e Nagasaki, o PCP reafirma a actualidade e a premência da luta pela paz e o seu empenho em contribuir para o reforço do movimento da paz e de solidariedade com os povos vítimas da agressão imperialista. Recordar Hiroshima e Nagasaki é não esquecer as suas centenas de milhar de vítimas e, em sua memória, intervir para que nunca mais a Humanidade venha a sofrer o horror nuclear.

No ano em que se comemora o 40o aniversário da Revolução de Abril, que pôs fim àditadura fascista, o PCP apela a todos os democratas e patriotas para que intensifiquem a luta contra o fascismo, contra o militarismo, contra a ingerência e a guerra imperialistas e pela paz, pelo desarmamento – em particular, pelo desarmamento nuclear –, pela resolução pacífica dos conflitos, pelo fim das bases militares estrangeiras, pela dissolução dos blocos político-militares, pelo respeito da soberania e independência nacional, pelo progresso social e a amizade e a cooperação entre os povos.

Last Updated on Wednesday, 13 August 2014 09:31